Autismo em elos


__________________________________________________________________________________________
Sejam todos bem vindos. Convido você a conhecer o meu filho André Luís Rian. A missão de cuidar de uma criança autista é muito sublime e não se pode deixar de lado o amor pelo Orgulho Autista.


O dia a dia do autista é a intimidade de muitas poesias e muitas aprendizagens dentro da inclusão social autista. Cada dia é novo dia, para meu filho e suas atividades consideradas "diferentes."



________________________________________________________ hit counter


sexta-feira, 23 de julho de 2010

O DIA A DIA DO AUTISMO




silvania mendonça almeida margarida




O ser humano que quiser conhecer o autismo deve começar a acreditar que existem coisas entre o céu e a terra que a própria razão desconhece. Deve ter uma capacidade imensa de auto-investigação. Nada de imaginar passos mágicos e sobressaltados para se descobrir e se vislumbrar nos acontecimentos do dia a dia do autismo. Somente o trabalho pessoal e árduo pode aflorar. O dia a dia de vivências autênticas é o espetáculo de um trabalho de crescimento espiritual, biológico, psicológico, dentre outras vertentes em que se enquadra o autismo.

O dia a dia do autismo é extraordinário em termos de aprendizagem. Você aprende as faculdades mais refinadas da interlocução e da imitação. A comunicação se faz presente de forma diferenciada. Os exercícios que se aperfeiçoam a cada momento, quando você tenta adivinhar o que o autista quer e o que ele deseja. Cada vez mais é uma rara atração e lição de sabedoria. Cada estereotipia tem um significado. Flui como uma reabertura de imagens sutis a reconhecer. O que significa para cada autista o “flapping” das mãos? As posições dos acendedores de lâmpadas, o modo de sentar, os tipos de músicas que eles gostam, os grifos? E, finalmente, o silêncio, coisas que não podem sair do lugar do ambiente que se vive, a rotina, as cartas de baralho, os catálogos de vendas e de telefone, e, os medos.


São muitas respostas que devem ser dadas e muitas inquirições a desempenhar. Há autistas que têm medo de barulho. Há uma explicação: escutam muito mais, sentem muito mais o ambiente e o entorno que o circundam.


Quando falamos em comunicação, podemos afirmar que algumas vezes nos encontramos sempre a um desafio constante. A comunicação do autista é embotada e fechada em diferentes atividades, sendo possível perceber que ocorre maior participação da criança, ainda que, na maioria das vezes, a utilização de vocalizações e de gestos seja incompleta.

Às vezes, o mundo hermético do autista torna-se o nosso mundo. Podemos nos descobrir autista também, sem sermos herméticos. Se não tivermos muita corrente magnética e vibratória do ambiente que pode ser repelida, e, conforme, o estado de espírito vivencial, nós não teremos controle do nosso interior. Mas especialmente, em nome do amor, ele deve ser controlado. Esse estado interior deve ser de criatividade e de labor.

A verdade é que o autista também é emotivo, mentiroso, inocente, melindroso, verdadeiro; enfim um ser humano, com uma habilidade especial de ser. E “esta capacidade de ser” deve ser compreendida, e não manipulada com maneirismos errôneos e práticas superficiais.

Por incrível que pareça, o autismo também tem etapas de evolução. As modificações do autismo trazem uma sensibilidade interna e lenta. Demanda tempo e paciência. Às vezes, o tempo é curto para o novo dia. São necessárias várias horas, dias, meses e anos para se entender a escala do seu equilíbrio.

Não há dois autistas iguais. O autismo é uma síndrome que os estudos são futuristas. Mas, quando cooperamos, tudo tem forma, cores e oscilação própria. Pois, cada um tem seu ponto de contato no universo que comanda os afetos e os amores espontâneos que devemos ter pelos nossos filhos autistas. Essencialmente, não importa o grau de parentesco. Todos os que se envolvem têm um compromisso a cumprir.

Gauderer (1993) afirmou: “Mas a pessoa autista não sabe o que o outro espera dela. Parece que falta à criança autista uma teoria da mente, ou seja, ela tem uma incapacidade de se relacionar adequadamente aos pensamentos e emoções de uma outra pessoa ... e não tem a capacidade normal de ‘juntar’ comportamentos de outras pessoas em benefício próprio”.

Como mãe de autista só posso corroborar o que Gauderer afirmou e acrescentar que a pesquisa e os traços das metas de intervenção, solicitação de ajuda, encaminhamentos, acompanhamento aos encaminhamentos, fator tempo suficiente, estabelece intervenções a curto/médio/longo prazo, e questiona os resultados possíveis e esperados. Esses são os métodos mais adequados de relacionar ao entendimento do dia a dia do autismo.

Todos esses achados são, sem dúvida, importantíssimos, especialmente a observação de que, inicialmente, a criança autista é capaz de discriminar de forma categórica e comportamentos de amor, capacidade que se não for estimulada, perde progressivamente, o que mostra que é pela perda que o indivíduo autista acende a sua ordem ambiental, psicológica e biossocial.

Ao questionar os porquês dos nossos atos e do nosso ser, no dia a dia do autismo, veremos que o AUTISMO é um ESTADO, que pode mudar, com estímulos, variadas naturezas de forças que nos levam a entender “O JEITO DE SER DA CRIANÇA AUTISTA". Só compreendendo a complexidade desta REALIDADE MUTÁVEL é que se pode arrolar a prática com seus valores educativos. Também devemos atentar QUE MESMO SENDO UM AUTISTA, ELE, o indivíduo, leva em consideração os vários estágios do seu adiantamento humano. Evidente que não correspondem às faixas etárias da chamada educação “normal” , mas EXISTE AÍ neste meandro do seu desenvolvimento a capacidade de lidar com seus afetos e com o mundo que o interage singularmente.

Na medida em que a educação especial, no sentido da palavra, se faz, o otimismo é o primeiro ensaio e a primeira conseqüência da evolução singular que toda criança autista tem o direito de vivenciar. Esse processo evolutivo pode ser por etapas cada vez maiores, dependendo da crença e dos acontecimentos dos fatos que já marcaram a história e estão aí para contar. A pedagogia do amor que Dom Bosco apregoou em atos incríveis de milhões de erros descobertos pela humanidade e resgatados pelo AMOR.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

2 anos de blog Elos Autisticos

2 anos de blog Elos Autisticos

Divulgue este blog sobre o autismo

Divulgue este blog sobre o autismo

Oficinas e Materiais